Diários de Quarentena [excertos] #01

© Catarina Câmara

Diários de uma Quarentena

Com a suspensão das atividades presenciais, devido ao estado de pandemia por COVID 19, o projecto CORPOEMCADEIA (CC), em colaboração com a Direção do EP LInhó, implementou um regime semanal de encontros/sessões on line e a distribuição de emails com desafios criativos, partilha de pensamentos, imagens e histórias.

O resultado tem sido um vai-vem de palavras e imagens entre a equipa do CC e os participantes, que nos faz desenhar outros movimentos e ajuda a abreviar a saudade.

Aqui deixamos fragmentos de algumas dessas cartas escritas pelo grupo de participantes.


“9 dias passaram rápido. A única chatice são os mosquitos, formigas, etc.

Tirando isso aproveito para ler, dormir, refletir, escutar os sons, ruídos e silêncios dentro de mim .

Tenho conversado imenso com os meus demónios internos, especialmente à noite, aqui na escuridão desta cela, ou melhor, deste “buraco”.

Tenho pensado mais na liberdade, na rua, quase sinto o cheiro, tem sido uma longa caminhada, uma jornada exaustiva, mas aqui estou eu, mais preparado que nunca.

Não sei o que escrever, escrevo porque sim. (….)

Respiro amor, transbordo paixão e adormeço conflito, pacientemente aguardo o meu momento, o momento da vida, de viver, de respirar, de correr, de saltar, de parar, de escolher o que raio me apetecer, de amar, de ser amado, de dar, receber, aguardo atentamente por tudo isso.

Escrevo mais um pouco. São umas 8 horas, mais ou menos, pelas minhas contas, visto que não há relógio, não é ?

O silêncio impera, apenas oiço o som dos carros, motas, sirenes, assim bem longe, a noite está a cair, está a ficar escuro. Enquanto escrevo aprecio os sons, também os passarinhos estão a cantar. Enquanto aprecio os sons e o silêncio, há a certeza de que nada pára lá fora, o mundo gira enquanto o meu não se move. (…)

Às vezes é estranho, sentir-me vazio com tanto cá dentro para dar…

Hmmm, e eu que já me tinha esquecido do cheiro de uma flor …

Tudo isto é tão necessário para este homem em construção…

… por cada dia chuvoso, há um dia que brilhará o sol

E eu até adoro a chuva mas nada melhor que um dia de sol de verão.”